terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

O livro da minha vida

Da série Blogagem Coletiva

Falar de livros nunca foi difícil pra mim. Mas falar do favorito, do melhor de todos, do livro da minha vida? Noooossa, que roubada: desde meu primeiro encontro com um livro, já foram muitos os títulos que passaram por mim e muitas foram as histórias que me fizeram viajar por elas, sem conseguir desgrudar das palavras, das histórias, das situações e do livro em si.

O primeiro que me fez esquecer de tomar banho, esquecer de comer, esquecer até de brincar com meus amigos de infância foi Reinações de Narizinho, de Monteiro Lobato, que peguei emprestado na Biblioteca Pública Benedito Leite. Aos oito anos de idade, aquelas histórias fantásticas sobre os netos da Dona Benta me fizeram, para sempre, uma leitora ávida e, por vezes, quase compulsiva, cheia de métodos e "manias de leitor": tinha que ler um livro por semana, tinha que ver o número total de páginas antes de começar a leitura, o próximo livro tinha que ter mais páginas que o anterior...


Li tudo que uma criança pode querer ler nessa fase: praticamente toda a Coleção Vaga-Lume da Editora Ática. O primo-professor do meu vizinho recebia os títulos da coleção gratuitamente, presente da editora; os livros iam para meu vizinho e dele para as minhas mãos. Depois começou a paixão pelas bibliotecas e toda quarta-feira era dia de visitar a que funcionava no SESC da Deodoro. Ali fui feliz, em plena adolescência! Fernando Sabino, Herman Hesse, Agatha Christie, Rubem Braga, João Ubaldo Ribeiro e mais um monte de autores eram minha companhia constante: três livros por semana e não menos que isso!
LinkQuando entrei no Curso de Comunicação da UFMA as coisas ficaram mais difíceis para minha leiturinha de todo dia; tinha quer ler textos e textos técnicos, tinha as visitas diárias do Bambu Bar... Mas isso ajudou o hábito a ficar mais refinado. Não dava pra ler qualquer coisa, então tinha que escolher bem as leituras. Foi quando comecei a me dedicar a Joyce, Cortázar, García Márquez, Woolf, Calvino, Camus, Proust... Apesar de minha avidez pelos clássicos, os próximos livros que me marcaram estão longe desse status, embora tenham se tornado clássicos da minha vida.

Garotos Incríveis
, de Michael Chabbon, me fez sentir o mesmo que senti quando li o clássico de Lobato. Esquecia de comer, esquecia da hora de dormir e esquecia que tinha estágio cedinho, no dia seguinte. Foi neste aqui que conheci a Lenda do Doppelgänger, que deu origem a este humilde blog. Me marcou pelos paralelos que encontrei com minha própria vida: o escritor Grad Tripp passa seus dias dando aulas de literatura, colecionando casos amorosos e tentando terminar o grande livro da sua vida, um trabalho que já lhe consome há sete anos, num calhamaço que já conta três mil páginas! Não que eu dê aulas de literatura ou colecione namorados, mas venho tentando escrever um livro já faz tempo...



O último livro a entrar no rol de "Livros da Minha Vida" é de um quase clássico, Salman Rushdie, que ganhou fama ao irritar o aiatolá Khomeinin, um dos papas do Islamismo no século passado, com o livro Versos Satânicos. (Mas não é esse o outro livro da minha vida.) Rushdie estava especialmente inspirado quando escreveu O último suspiro do Mouro e me mostrou a magnífica e inimaginável diversidade da Índia! E olha que isso é muito anterior à novela das oito!

Moraes, o Mouro, indiano de nascimento, tem sangue judeu, português e dos mouros espanhóis de origem árabe nas veias. Envelhece duas vezes mais rápido que os humanos normais, de modo que suas primeiras experiências sexuais começaram aos sete anos de idade - numérica, digamos assim, mas na verdade 14, biologicamente. Tem um punho igual a um martelo e uma família totalmente inacreditável. Inacreditável! Esse livro é mesmo fantástico. Me fez perceber a dor e a delícia de parecermos velhos, sem sermos; de se sentir sozinho, mesmo numa cidade de um milhão de habitantes e ter a certeza que, às vezes, isso não é tão ruim; de descobrir que todas a juras de amor ditas entre quatro paredes não passam de balela, mas que não precisamos encarar isso como o fim do mundo...


É isso. Pode parecer absurdo, mas o livro da minha vida são, na verdade, três! Reinações de Narizinho, Garotos Incríveis e O último suspiro do Mouro. Eu recomendo.

Mas... e aí? Qual é o livro da sua vida?
[Este post integra a ótima blogagem coletiva proposta pela Vanessa, do Fio de Ariadne, sobre o livro da sua vida — não necessariamente o mais bem escrito ou o melhor, mas O livro, aquele que fez toda a diferença pra você.]
.

12 comentários:

Nina disse...

Ahhh eu te entendo e mt bem, como conseguir escolher um livro somente, qd há tantos que nos marcam pra sempre???

vc fala que aquele que te fez esquecer de tomar banho, de comer e até de ir brincar foi "aquele livro!". E é bem assim mesmo, a gente esquece de tudo em volta, vive no mundo do livro, e nao quer mais sair dele. Ler é fanstástico de fato.

Bjs

Janaina Amado disse...

Oi, Gisele, eu vim aqui conhecer o seu livro, aliás, os seus livros, rs " Reinações de Narizinho" é também uma das minhas paixões. A blogagem coletiva está ótima! Abraços.

Vanessa disse...

Que regras? A vida é sua , o livro é seu , a escolha tb. Excelente post. Estou com versos satânicos aqui para ler há tempos. O último suspiro eu li. Pra lá de bom!


abraço e obrigada por participar.

*Renata disse...

Oi Gisele!

Cheguei até aqui através da Coletiva da Vanessa. Engraçado como os blogueiros são viciados em leitura! Confirmei a teoria de que a escrita e a leitura caminham sempre juntas.

Gostei muito do seu post. Monteiro Lobato é um clássico e eu concordo com vc... o livros das nossas vidas é aquele que nos faz esquecer de tudo!

Adorei o blog e sabe o que é Doppelgänger! Voltarei mais vezes.

Grande abraço!

Gisele Amaral disse...

Oi, Nina! Seja bem-vinda!

Qual é o livro da sua vida?

Beijos.
=*

Du disse...

Oi Gisele!
Eu simplesmente AMEI o teu post, gostoso de ler, incrível!
Bom, o livro da minha vida você já soube antes mesmo de eu chegar aqui - Pollyanna!

Beijos, querida!

Luana disse...

Achei bem justo teres listado mais q um livro. Foi excepcional, pq levamos bem ao pé da letra "O" livro, enqto são tantos os q podem nos fazer deixar de dormir, de comer, de tomar banho...hahaha...a literatura é vasta de delícias!

Ah, e tu tá tentando escrever um livro, Gi?

Máximo! Sempre quis escrever um, mas acho que a minha sanidade não chega a tanto! =[

Sucesso no livro e estarei na noite de autógrafos!

Bj

Patricia disse...

geeeeente a coleçao vagalume era perfeita demais!!
muita saudade dela!
acho que só sobrou um livrinho aqui em casa.
beijo!

Elaine disse...

Olá!
E quem não esqueceu da vida ao ler Monteiro Lobato?
Parabéns pelo post e obrigada pelas indicações.

Helen Marie disse...

Olá,
Cheguei aqui através da lista da Blogagem Coletiva.
Reinações de Narizinho é demais, lembro-me de devorar estes livros qdo era pequena!!!
Abraços,
Helen

Cristiane Marino disse...

Adorei de coração seu post, você colocou tanta emoção em suas palavras que fiquei fascinada!

Faça uma visita ao meu blog para conferir o livro da minha vida também.

Parabéns

renato disse...

Vixi, esse blogue tá ficando xique! Já tá até nessas ondas coletivas!
Eu só li o livro do Rushdie porque tu vivia falando nele. Também gostei.