quinta-feira, 13 de março de 2008

Macho grávido? Só em Dracon!

Da série Filmes Que Ninguém Lembra...

Assisti esse filme na Sessão da Tarde, lá pelos meus sete ou oito anos de idade e nunca mais tive oportunidade de revê-lo. Deve ter passado uma ou duas vezes na tevê e em uma dessas vezes, irremediavelmente ficou guardado em minha memória, que diga-se de passagem, não é "lá essas coca-cola"! Lembrei dele recentemente e fui procurá-lo pelo "Santo Google" e descobri que o filme até já foi relançado em DVD, à venda nas Lojas Americanas! Mas vamos lá.

A aventura de ficção científica, dirigido por Wolfgang Petersen, conta a história de uma guerra galática travada entre a Terra e o planeta Dracon. Em uma das tantas batalhas, o piloto humano Willis Davidge, interpretado pelo ator Dennis Quaid, faz um pouso forçado num planeta estranho e desabitado, mas logo descobre que há um draconiano morando por lá, o Jeriba Jerry - ele acabou parando no planeta estranho da mesma forma que o terráqueo.

Teoricamente os dois são inimigos e se enfrentam como tal durante boa parte do filme, mas o episódio em que o humano quase é tragado por um monstro escondido num buraco no meio da areia e tem sua vida salva pelo alienígena, muda toda a história e os dois acabam descobrindo o óbvio: num planeta isolado, inóspito e hostil como o que se encontram, o melhor a fazer é unir forças para se manter vivo. Superado o ódio mortal, os dois viram bons amigos. E é aqui que a história fica interessante. Tão interessante que o termo "aventura de ficção científica" é pouco para classificar o filme: acho que ele pode ser encarado como drama também, tantos são os conflitos psicológicos vividos pelos personagens. Fora que o draconiano Jerry, vivido pelo irreconhecível Louis Gosset Jr, é um réptil-alienígena cheio de particularidades. Para começar, ele fala como se fosse um gato ronronando - passei dias tentando imitar a fala dele. E não pára por aqui, tem coisas mais loucas: ele fica grávido! E mostra uma senhora barriga para um estupefato humano, macho, que se acostumou a ver mulheres engravidando para perpetuar a espécie. Jerry explica a Willis que os draconianos são hermafroditas: olha o parafuso que dá na cabeça do terráqueo! Felizmente ele aceita aceita a situação e até faz o parto do draconianozinho - ainda ajuda a criá-lo como seu filho. Inacreditável! Uma verdadeira lição de tolerância. No Youtube encontrei um vídeo que retrata exatamente esse diálogo.



Vale à pena recordar esse filme que ninguém lembrava, mas eu ainda lembro bem... E adorei saber que dá para tê-lo em casa.

2 comentários:

gerald disse...

Mas é claro que eu me lembro desse filme. Que saudade.
Ele lembra muito umoutro filme de 1968 chamado Inferno no pacífico, do direto John Boorman, com Toshiro Mifune e Lee Marvin.
Numa pequena ilha do Pacífico, dois soldados um japonês e um norte-americano estão isolados e esquecidos. Os dois travam grande lutas e por algum fenômeno não conseguem "se matar". Qando são resgatados, a 2ª guerra acabou há tempos, mas não para eles que encerram o filme olhando-se profundamente olhos nos olhos, deixando-nos a dúvida se ali está o ódio ou outro sentimento (ahahahahahahahah).

Ricardo disse...

Comcordo com o Gerald acima. Se nasceu até filhinho alienígena, deve ter rolado alguma coisa entre os dois rapazes do filme, hehehehe. Acredite, minha amiga! Se existe pedofilia, zoofilia e até necrofilia tu não acha que pode existir ETfilia? ahahahaha...